CEDOM - Centro de Documentação e Memória do Mercado Segurador
Iniciativa
CNseg
Contribuições do mercado

As contribuições de Mario José Gonzaga Petrelli para o mercado segurador brasileiro

Filho de Leonardo Petrelli e Alice Guilhon Gonzaga Petrelli, Mário Petrelli nasceu em Florianópolis (SC), em 31 de maio de 1935, cursou Direito, e a partir de 1960 foi se afastando da advocacia para se dedicar a outra grande missão: a de desenvolver o mercado de seguros no Brasil.

Antes mesmo de ingressar no setor segurador, foi graças à sua habilidade política que Petrelli viabilizou um projeto de massificação de seguros para servidores públicos dos Estados do Paraná e de Santa Catarina. O convite de Roberto Boavista, dono da Boavista Seguros, veio logo em seguida.

Décadas mais tarde, em entrevista ao CPDOC da FGV, Petrelli afirmou: “A minha visão, desde o primeiro dia foi exatamente a de procurar massificar o seguro (…) queria levar o seguro ao povo, fazer com que o povo conhecesse o seguro…” (PETRELLI, 2006/2007, p.2).

O seguro foi levado a milhares de brasileiros por meio de grandes eventos protagonizados pelo ator Paulo Afonso Miessa, mais conhecido como Paulo Goulart. Os eventos atraíram multidões por meio de sorteios de bicicletas e cheque-auditório. Este projeto foi desenvolvido em parceria com a Federação das Indústrias de Santa Catarina, a Federação das Indústrias do Paraná, a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul e da Associação Comercial de São Paulo. Foi um enorme sucesso.

Petrelli entendia que era necessário redefinir a percepção sobre seguros que era cultivada pela sociedade brasileira. Para ele, era imprescindível que a população compreendesse a sua relevância social. Então ele apresentou a Amador Aguiar, presidente do Banco Bradesco, um ousado projeto que previa a criação de apólice com valor acessível a todo brasileiro, vendida via rede bancária, e que teria parte do lucro revertido para a educação.

A proposta não só foi aceita como também aperfeiçoada por Amador, que reverteu a totalidade dos resultados do empreendimento para uma grande campanha de alfabetização. Em 05 de março de 1970, foi  lançado o Top Club – Turismo, Organização e Previdência, uma entidade voltada para a oferta de seguro de vida em grupo conjugado com seguro coletivo de acidentes pessoais, garantido pela Boavista e pela SulAmérica. A cerimônia ocorreu no Iate Clube do Rio de Janeiro e contou com a presença de grandes personalidades do setor econômico e político, além do embaixador dos EUA.

Em 22 de setembro de 1970, um fato inusitado ganhou destaque nas páginas dos jornais. A viúva Assunta Spinelli Battastini recebeu uma indenização de 30 mil cruzeiros do plano, que teve uma única mensalidade paga por seu marido antes de morrer, o Sr. Sila Baptista Battastini. O pronto atendimento, sem a exigência de período de carência, trouxe visibilidade ainda maior.

Rapidamente o Top Club se transformou na maior apólice de seguro de vida do mundo, contemplando cerca de 1,6 milhão de segurados. Nas palavras do presidente do Bradesco, o Top Club não era um simples negócio, mas “um instrumento de captação de recursos para uma obra de duplo alcance social. De um lado, democratizando o seguro . De outro, proporcionando o acesso à educação básica e gratuita.” (Revista O Cruzeiro, 26 de janeiro de 1972, página 84).

Falecido em 22 de abril, Petrelli entra para a história como um dos maiores expoentes do mercado segurador brasileiro. 

Na década de 1960, foi diretor executivo do Grupo Boavista, que mais tarde veio a se chamar Atlântica Boavista, após a aquisição pelo Grupo Atlântica. Na Atlântica Boavista foi vice-presidente executivo de produção nacional até 1983, quando veio a aquisição pelo Bradesco e assumiu a vice-presidência executiva de produção geral, na nova empresa.  

Nos anos seguintes Petrelli fundou diversas entidades do setor, como o Conselho Administrativo da Santa Catarina Seguros e Previdência; o Grupo Roma Seguradora; a Brasilcap e a Federalcap. Também foi diretor do Grupo Icatu e membro do conselho fiscal da Caixa Capitalização.

Petrelli desempenhou importante papel em instituições representativas do setor. Foi presidente do Sindseg PR/MS, da Comissão Permanente de Propaganda e Publicidade (CPPRP) da Fenaseg e do IRB, e vice-presidente dos Conselhos Diretores da Confederação Nacional de Seguros e da Fenaseg até o seu falecimento.

A sua trajetória foi marcada por diversas honrarias, como a conquista do Prêmio Destaque da História do Seguro Brasileiro, da Academia Nacional de Seguros e Previdência.  Nas palavras de Márcio Coriolano, Presidente da CNseg, Mario Petrelli foi um gênio político, comercial e dos negócios do setor, cuja sabedoria deve ser guardada.


Compartilhe nas redes sociais

Outros destaques

Contribuições do mercado

125 anos da SulAmérica

1895

Nos anos 30 promoveu grande campanha higiênica para a conscientização da população acerca da importância da prevenção de doenças.

Contribuições do mercado

40 anos do seguro de Itaipu

1978

A participação do mercado segurador brasileiro na construção da maior hidrelétrica do mundo

Contribuições do mercado

Folia com segurança

2018

Conheça as iniciativas do mercado segurador em prol de um carnaval mais seguro

Contribuições do mercado

50 anos do início das operações do Seguro de Crédito à Exportação no Brasil

1968

Uma cerimônia realizada no IRB marcou o início das operações.

CLIQUE AQUI E ACESSE O ACERVO HISTÓRICO VIRTUAL